2ª Premiação Anual Lagarto de Ouro

Confira os candidatos e dê sua opinião sobre os melhores filmes de 2012!

LagARTÍSTICO #7: Diamonds Are A Girl's Best Friend!

A sétima edição do quadro LagARTÍSTICO traz uma galeria da eterna diva Marilyn Monroe!

Hitman: Absolution

O Assassino 47 está de volta, saiba a nossa opinião sobre o novo jogo!

BL Clássicos

Leia duas novas críticas no quadro BL Clássicos: "The Misfits" e "How to Marry a Millionaire".

20.7.13

AVISO IMPORTANTE

A partir de agora, grande parte das críticas estarão, momentaneamente, sendo somente analizadas via vídeo no canal do Biell de Botas, que você pode achar vendo os últimos posts do website.

www.youtube.com/BielldeBotas

Visite também o mais novo site oficial da Blaster Lizard: www.blasterlizardbrazil.wix.com/home para ter todas as notícias sobre os nossos projetos.

Atenciosamente
Lee a.k.a Soviet Connection.

17.6.13

Hitchcock = Esporro do Pinto



Uma outra crítica feita em vídeo, com a participação especial do bonitão aqui! Vamos lá!


Crítica em Vídeo - Os Miseráveis


Outra critica bem poética do Biell de Botas!


Batman: O Cavaleiro das Trevas - Parte I e II




Confira aqui uma das críticas feitas pelo Biell de Botas a algum tempo. Agora estaremos realizando nossas críticas em vídeos devido ao pouco tempo que temos para escrever:




18.4.13

NÓS LEMOS: " Arqueiro Verde #17 "

Por Kelvim Valente
Dando um tempo nos estudos, fui rever a lista de HQ’s quais tinha a leitura pendente, e dentre elas estava a nova fase do Arqueiro Verde escrita pelo ilustre Jeff Lemire. O personagem vem de um início fraco nos Novos 52, um seriado bacana onde ele parece o Batman de verde, e aparições como membro da Liga da Justiça da América, um lançamento promissor da DC. Lemire fez diferença?


É, fez, e muita. A partir da décima sétima edição, parece que estamos lendo outra HQ. Indo à resenha da edição, a nova história chamada “A Máquina de Matar” (viva aos filmes de ação dos anos 80...) me lembrou muito o que vimos em “A Queda de Murdock”, onde o protagonista entra num beco sem saída onde a situação piora a cada minuto que passa. A edição se inicia com Oliver Queen questionando sua existência, seu pensamento sobre a vida superficial que teve e sobre tentativas falhas de corrigir sua cidade como o Arqueiro Verde. E então, voltamos três semanas no tempo.


Emerson, quem ficou responsável pela corporação que Oliver herdou de seu pai, Robert, perdeu a empresa, caindo num abismo financeiro. A discussão de ambos chega a um ponto curioso, onde Emerson fala que Oliver sempre teve tudo, e que um homem não sabe realmente o que ele é até que perca tudo. Então, quando pensamos que uma revelação bombástica mudará os rumos do herói, Emerson é assassinado por uma flecha do Arqueiro Verde, e puxado de forma que caísse do prédio através da janela. A partir desse ponto, se inicia a ruína de Oliver Queen.

Sem sua principal empresa e suspeito da morte de seu velho amigo, Oliver precisa fugir dos seguranças, e posteriormente da polícia. A reação lógica é vestir-se como o Arqueiro e descobrir quem matou Emerson. Seus ajudantes não podem fazer nada no momento, o que o intriga e o obriga a fugir para seu quartel general. Ao se aproximar do prédio de uma das empresas quais dedicou seu tempo e investimento, a “Q-Core”, ele a vê explodindo. E agora?


Temos uma série de monólogos de Oliver, intercalando uma caminhada por uma parte aparentemente abandonada da cidade, e momentos onde esconde da polícia, que ainda o procura para esclarecer o episódio com Emerson. Oliver relembra como questionou a decisão sobre criar esconderijos ao longo da cidade, afinal “merda acontece”. E aconteceu, mesmo. Na forma de um abrigo subterrâneo, um desses esconderijos abriga equipamento reserva. Uniforme, flechas, arcos. Com o prédio da Q-Core, seu quartel principal destruído, era tudo o que restava. Então, agora bastaria investigar e encontrar o novo vilão? Errado.
“Eu sou Komodo, eu sou sua morte garoto”. O vilão se revela no esconderijo secreto de Oliver, apontando-lhe uma de suas flechas com o arco já tensionado. Problemas? Claro. O Arqueiro Verde se encontra encurralado. A história continua pro mais páginas, mas a resenha para por aqui.

Komodo, promessa para um ótimo vilão.
O que temos nessa HQ que inicia a saga “A Máquina de Matar” é um acúmulo de clichês. O personagem principal se vê obrigado a enfrentar uma nova ameaça enquanto perde seus recursos. Mas, qual o lado bom? Tudo, eu diria. Existem clichês bem construídos, e foi isso que Lemire nos entregou em sua estreia. A tensão a cada página torna essa HQ algo sensacional, e Komodo se apresenta como um personagem calculista, inteligente, e que de alguma forma sabe tudo sobre Oliver ao estar sempre um passo adiante. Além do roteiro, Andrea Sorrentino assume os desenhos, e faz um trabalho excepcional. Seus traços somados ao modo como monta os quadros tornam o estilo da narrativa bastante atrativo, e de certa forma original. A edição não é excepcional, mas vale a pena acompanhar.

Nota: 7,5

15.4.13

GENERAL ZOD: " Vocês não estão sozinhos "


Então, nesses últimos dias a Warner publicou um viral relacionado ao novo filme do Superman, vulgo "Man of Steel", com estréia programa no Brasil para 12 de julho. No viral, o General Zod (interpretado por Michael Shannon) envia uma mensagem ao planeta Terra, traduzida após o vídeo logo abaixo.


Vocês não estão sozinhos… Ajoelhem-se perante Zod… Meu nome é General Zod. Por algum tempo seu mundo abrigou um de meus civis. Eu solicito que retornem este indivíduo para minha custódia. Para Kal-El, eu digo isso: renda-se em 24 horas ou veja esse mundo sofrer as consequências.”


5.4.13

Slender: The Arrival Utiliza agora dos roteiristas de Marble Hornets para criar uma história intrigante de Proxys


SLENDER: The Arrival
Análise Completa
contém spoilers sobre o enredo.

INTRODUÇÃO
Slender: The Arrival é a sequência oficial da história de Slender: The Eight Pages. Nela é apresentada um ótimo roteiro feito pelos mesmos roteiristas de Marble Hornets, a primeira série oficial de Slender a.k.a O Operário a passar no YouTube.

Slender: The Arrival conta com um enredo bem trabalhado e um tanto complexo assim digamos. Apesar da simplicidade do seu gameplay, o jogo tem uma história bem detalhada que explica todos os fatos do primeiro jogo. Vou contar ela com detalhes agora.

HISTÓRIA contém spoilers
Slender: The Arrival conta a história de Lauren, melhor amiga de Kate, menina que jogamos no primeiro game. Kate havia acabado de perder sua família. Seu pai e sua mãe faleceram e Kate decide ir morar sozinha e Lauren resolve dar o apoio a ela pela sua perda. Atormentada desde sua infância com sua relação com Slender no parque, ela havia chegado até mesmo a ser internada em um hospital psiquiátrico pois o seu trauma era enorme e ela não conseguia parar de desenhar e escrever todas as suas visões em inúmeras folhas de papel.

Seus pais não acreditavam nela quando ela dizia que havia alguém a perseguindo. Apesar de ter sobrevivido ao seu primeiro encontro com ele e ter chegado em casa em segurança, ela não se sentia segura... Ela sabia que ''O Slender não deixa suas vítimas fugirem... Ele apenas escolhe isso'', então estava claro pra ela que ele voltaria para buscá-la.

Ela somente havia sido libertada do hospital quando ela resolveu aceitar o fato de que tudo era apenas um sonho e que o que ela havia visto não era a realidade. Então os médicos resolvem dar auta para ela e ela retorna para casa até os dias serem contados e então Slender: The Arrival começar.

Quando Lauren entra na casa de Kate, ela vê que está tudo revirado, móveis, janelas arregaçadas e portas abertas... Pichações com o Slender nas paredes e no seu quarto e as ''páginas'' do Slender em todos os cantos. Lauren se pergunta: mas o que é isto? Ao ver o seu quarto e é então que Slender aparece pela primeira vez... Pegando Kate e a levando para a floresta novamente...

Casa de Kate... Revirada na calada da noite.


ENTRE ''AS 8 PÁGINAS'' E ''A CHEGADA'' contém spoilers
No jogo é declarado como é que Kate vai parar na floresta... Ela e seu amigo CR (não é divulgado o nome original dele) são amigos desde infância também e sempre gostavam de se aventurar na floresta em busca de ''fantasmas'', porém foi em uma dessas brincadeirinhas que as páginas começaram a brotar quando o Slender aparece pela primeira vez e os dois, apavorados, correm cada um para um lado... A partir de então, as páginas brotam para Kate pela primeira vez... Por vítimas do Slender que ele usa como marionetes para escrever estas cartas para apavorá-la. Estes são então chamados como Proxys, ou ''seguidores do operário''. É ai que surge pela primeira vez, o nome original do Slender, personagem criado por Victor Surge Knudsen, dado como ''O Operário'' por ele ser responsável por operar o emocional das suas vítimas contra outras vítimas.

Quando Kate consegue pegar todas as páginas e o Slender a encontra, Kate corre para qualquer direção, desesperada, até ser encontrada pelos seus pais que a estavam procurando. Desde então, começa toda a história sobre a loucura de Kate.

Quando Lauren é quem passa a ter que caçar as 8 páginas, como foi visto na Demo / Beta do game, aquilo é o aviso de Kate, que já havia se tornado também uma Proxy. O objetivo do jogo se passa em ter que resgatar Kate e salvá-la desse destino cruel como capataz do Operário.

''O Operário não deixa suas vítimas fugirem... Ele apenas escolhe isso''


EM ABSTINÊNCIA (GAMEPLAY, TRILHA SONORA, ANIMAÇÕES ETC)
O jogo tem o gameplay bem simples e com poucas ações, porém a riqueza de detalhes e de informações que o jogo passa para o jogador para que ele entenda a história chega a ser absurda. Para uma história simples como esta, são utilizados 26 intels coletáveis pelo jogo para serem descobertos e lidos, todos bem diversificados e bem detalhados, como cartas, panfletos, cartazes, placas, tudo que é tipo, enchendo o jogador de informações para que ele entenda cada pedaço do que está acontecendo, já que o jogo não possuí muitos diálogos (sim, ele possuí).

A trilha sonora é impressionante, sério! Nunca vi algo tão rico em orquestra para um jogo tão ''amador'' em minha vida. Apesar do jogo ser indie, eles não economizaram em dar ao jogador uma experiência não só assustadora, mas muitíssimo imersiva e de arrepiar os cabelos... Não entendeu o que estou dizendo? Ouça essa música então, é a primeira música apresentada ao game:


Agora também foram apresentadas animações para os personagens. Kate e ''O operário'' andam, correm, se escondem e o Slender expõe seus tentáculos para melhorar ainda mais a condição cardíaca do jogador. O Slender neste game, apesar se não possuir face, ele possuí expressões, os músculos de seu rosto se contorcem de uma forma bizarra ao que uma boca se abre fazendo alguns barrulhos horrendos também.

No outro jogo (The Eight Pages), a personagem possuía uma lanterna, mas ela não aparecia. Já agora porém ela aparece e é bem realista a forma que os objetos em sua mão ficam, na forma que ao correr, a lanterna deixa de iluminar muito bem por conta da correria. Você pode focar com a lanterna em um lugar específico ou apenas iluminar uma grande parte do local ao simples clique de um botão.

As animações da porta no entanto são um horror. Pego a idéia de Amnesia: The Dark Descent onde você tem que clicar e arrastar para as coisas abrirem e fecharem, fica tudo extremamente irritante e muito desesperador, principalmente nas cenas onde o Slender se encontra no mesmo lugar que você, por exemplo, na mesma casa.

O jogo possuí alguns bugs terríveis também, como o fato do Slender atravessar as coisas assim como você e que caso você faça algumas coisas que o script não permita, o jogo dá crash e você tem que recomeçar toda aquela fase novamente. Felizmente, o jogo possuí auto-save para a nossa felicidade.

O cenário é assustadoramente grande... E o Operário é assustadoramente opressivo!


CAMPANHA
Para os que estão jogando pela primeira vez e querem explorar o vasto cenário de Slender: The Arrival, a campanha pode durar de uma até duas horas de duração. Já que para conseguir completar o jogo 100% é necessário explorar lugares inimaginaveis, como cavernas, densas florestas e minas escuras colossais. Para quem já completou o jogo, a campanha pode durar até 30, 45 minutos. Agora... Pra quem for jogar no modo Hardcore, pode esperar sentado que o jogo vai te render sérias frustações e pode chegar só para quem for querer passar o jogo na louca, 50 minutos de jogatina pura mais um final secreto, onde você terá mais informações sobre o destino de Kate, Lauren e CR (que aparece novamente.).

CONCLUSÃO
Slender: The Arrival melhora em todos os aspectos em questão do seu antecessor e faz The Eight Pages ser considerado ''uma experiência curta de The Arrival''. Resta saber qual será o destino de Kate e de Lauren sobre a influência Proxy de O Operário.

Eu recomendo muito que joguem este jogo, porém tenham em mente que é um jogo pago, e não gratuito como o seu antecessor. Ainda assim, rende ótimos sustos e é com certeza um jogo que se não te assustar o triplo do que Slender The Eight Pages te assustou, então nada mais o assustará.

NOTA: 9,7/10,0

Kate... O que aconteceu com você? Pro000100011100001100100011100001110000110001x00011000100y